sábado, 5 de novembro de 2016

O encontro negro


Imagem disponível em: https://br.pinterest.com/pin/531776668478951115/


Quando a preta e o preto se encontram
explodem rios de encanto
os ancestrais fazem festa
a África celebra
a senzala saiu da cela

Quando o preto e a preta se encontram
desfazem-se mares de açoites
séculos de submissão
mentiras que permeavam ilusões

Quando a preta e o preto se encontram
na universidade... 
que antes era dos brancos
há tanto que conversar
milhões de textos para debater
histórias do griots para contar

No entanto....

Quando o preto e a preta  se encontram
a  surpresa é tanta
a atração instantânea
que por mais que neguem
a melhor forma de comemorar esse enlace
é simplesmente beijar

Luciene Rêgo
26/07/2016

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Momentos...






                                                   Imagem disponível em: http://essa-vale-a-pena-ver.blogspot.com.br/2011/11/o-sonho-das-arvores.html



Viver o agora
    sentir o presente
          simplesmente sem estar 
                                          ausente

o momento é intenso
         As oportunidades são únicas
as opiniões são diversas
        O Ser é simplesmente 
                                           o estar....


Luciene Rêgo
26/07/2016

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

À Sombra da Jaqueira






À sombra da jaqueira
recém-chegada em Brasília
curtindo a natureza da UnB 
pensando em você

Ouço som de pássaros cantando
deitada na minha canga colorida
relaxando após o almoço
lendo meu livro da Alzira

Entre a África que está no livro
e os ciclistas que vão passando
as jacas amarelinhas ficando
escutando um som ecoando na minha mente

Agora há pouco saí de um samba
aqui mesmo nas imediações
samba de recepção da calourada
e o pássaro sobrevoa cantando em disparada

De repente uma mochila se arrasta
um casal de namorados por aqui passa
os coqueiros à minha frente
e eu me sentindo distante e diferente

Longe da minha terra do sol quente
as folhas das árvores balançando ao vento
eu deitada no chão de grama
a tarde vai findando
e eu termino meu poema
ao som de um sotaque italiano.


Luciene Rêgo
09/08/2016